Fundação de apoio e doação de medula óssea

A Fundação Ary Frauzino (FAF), atual Fundação do Câncer, foi organizada, em 1991, pelo médico Marcos Moraes, com o objetivo de apoiar e viabilizar as ações do INCA. A FAF consiste em uma entidade dotada de autonomia patrimonial, administrativa e financeira. Por muito tempo, seus principais recursos vieram da prestação de serviços médico-assistenciais do INCA ao SUS (que remunerava os serviços de assistência oncológica prestados pelo Instituto). Hoje, a FAF capta recursos e investe em prevenção, diagnóstico precoce, assistência, programas e projetos relacionados a transplante de medula óssea, sangue de cordão umbilical, cuidados paliativos e pesquisa.


Os recursos eram aplicados em projetos voltados para atividades assistenciais de prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação de pacientes com câncer; na formação de profissionais; em campanhas educativas; em pesquisa básica e aplicada; e na promoção e realização de eventos científicos e de divulgação de conhecimentos.



Redome e Rede Brasilcord

O Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome) reúne informações de pessoas dispostas a doar medula óssea para quem precisa de transplante. Desde 1998, é coordenado pelo INCA. Com mais de 4 milhões de doadores cadastrados, o Redome é o terceiro maior banco de doadores de medula óssea do mundo e pertence ao Ministério da Saúde, sendo o maior banco com financiamento exclusivamente público. Anualmente, são incluídos mais de 300 mil novos doadores no cadastro do Redome.


O CEMO/INCA é responsável pela coordenação técnica e a Fundação do Câncer pela operação do Redome, conforme a Portaria nº 2.600, de 21 de outubro de 2009, do Ministério da Saúde.


O Instituto também sedia e faz o gerenciamento técnico da Rede BrasilCord, que reúne bancos públicos de sangue de cordão umbilical e placentário. A Rede entrou em funcionamento em 2004.