Primeira sede do Centro de Cancerologia, inaugurada em 1938, anexo ao Hospital Estácio de Sá, no bairro Estácio

Um espaço para tratar os doentes:
as origens do INCA

Durante vários anos, Kroeff buscou apoio necessário para a criação de um centro de tratamento para os cancerosos no Rio de Janeiro. Em 1931, conseguiu uma verba do governo federal para a construção de um pavilhão de cancerologia na cidade; mas, embora o prédio tenha sido construído, ele acabou destinado para outro fim. Em 1936, depois de vários apelos ao Executivo Federal, ele obteve novos recursos para construir um Centro de Cancerologia no Hospital Estácio de Sá. Em janeiro de 1937, o Decreto-Lei n.º 378, que reformula o Ministério da Educação e Saúde Pública, cria o Centro de Cancerologia, embrião do atual Instituto Nacional de Câncer.



Um sorridente Getúlio Vargas, ao lado do ministro da Educação e Saúde, Gustavo Capanema, e do diretor do Departamento Nacional de Saúde, Barros Barreto, na visita inaugural ao Centro de Cancerologia, ciceroneados pelo diretor da unidade, Mario Kroeff.



O Centro de Cancerologia foi inaugurado em 14 de maio de 1938, pelo presidente Getúlio Vargas e Mário Kroeff, nomeado seu diretor. Suas instalações contavam com três enfermarias, em um total de 40 leitos, um ambulatório, um bloco cirúrgico, salas de curativos e esterilização, um aparelho de raio-X e outro de radioterapia. Todos os seus espaços eram voltados para os cuidados aos cancerosos.



Visita inaugural ao Centro de Cancerologia (1938).




“Somos acanhados em face da grandeza da missão a cumprir. Mas, este pequeno hospital, pequenino mesmo, crescerá por certo pelos benefícios que há de prestar.

É a primeira pedra lançada, na construção do grande edifício; será o núcleo em torno do qual virão se juntar novas ampliações. Os trabalhadores desta casa serão, por certo, substituídos por outros de amanhã, dotados talvez de mais aptidões.

Compreendo bem que uma organização dessa natureza, só pelo nome que traz, assume graves compromissos, até fora da nossa vida interna. Pesa-lhes a responsabilidade patriótica de manter acesa e profícua colaboração internacional e corresponder no intercâmbio científico às suas congêneres estrangeiras”.


(trecho do discurso pronunciado por ocasião da inauguração do Centro de Cancerologia pelo Dr. Mário Kroeff, Diretor, em 14 de maio de 1938).